Click Macaé
ClickMacaé.com.br
ClickMacaé.com.br

» Contratar Profissional

» A Bacia de Campos

» O Cenário Offshore

» Petróleo e Gás

» Empregos

» Cursos> Fornecedores Offshore> Shopping

» Informações> História do Petróleo> A História no Brasil> A Atividade Offshore no Brasil> As Crises do Petróleo> As Plataformas da Bacia de Campos> A Bacia de Campos em Números> As Reservas da Petrobras> Lei do Petróleo> Licenciamento Ambiental> Marco Regulatório> Petrobras no mundo> Pré-sal> Sobre o Petróleo> Sobre o Gás

» Empregos> Buscar Profissionais para Minha Empresa> Buscar Vaga de Emprego na Área

» Glossário> Terminologia Naval> Terminologia Offshore> Terminologia Offshore Comercial> Glossário e Abreviações

Sampling Treinamentos Curso 24 Horas

CBO conclui série de AHTS e fecha ano com frota de 33 barcos de apoio

3 de dezembro de 2018

A CBO entrará 2019 com uma frota consolidada de 33 embarcações de apoio marítimo. No final de outubro, o estaleiro Oceana (SC), que pertence ao grupo, entregou o CBO Terra Brasilis, último dos seis AHTS 18.000 (manuseio de âncoras) e que dá nome a essa série. Além dele, as outras cinco unidades (Bossa Nova; Iguaçu; Parintins; Xavantes; e Cabrália) possuem contratos com a Petrobras, referentes à sexta e sétima rodadas do Programa de Renovação da Frota de Apoio Marítimo (Prorefam).

O grupo destacou a performance do Oceana na construção da série Terra Brasilis e a entrega dentro do prazo, e com folga, previsto no contrato com a Petrobras. O co-CEO do grupo, Leonardo Gadelha, lembrou que poucos estaleiros ainda estavam com embarcações de apoio marítimo em carteira este ano. Antes dessa série de AHTS, o estaleiro entregou dois PSVs 4.500 (transporte e suprimento): CBO Oceana e CBO Itajaí.

A avaliação atual é que não deve haver uma demanda para construção de novos barcos de apoio marítimo no curto prazo. “Ainda não é possível dizer que o mercado está bom. Esperamos que a demanda chegue para o apoio offshore. Estamos vendo alternativas de manter o estaleiro operacional enquanto esse ciclo não vem”, contou Gadelha. Para buscar novos projetos para sua carteira, o grupo aposta nos investimentos que foram feitos nas instalações e na aquisição de equipamentos modernos, no nível alto de automação e na área ampla do estaleiro.

O grupo aguarda o resultado da concorrência da Marinha para construção de quatro corvetas da classe Tamandaré. A CBO é parceira do consórcio Águas Azuis, que tem a thyssenkrupp Marine Systems, Atech e Embraer S.A. Em caso de êxito do Águas Azuis, o estaleiro que não o integra a composição do consórcio em si, seria um parceiro para fornecimento das instalações e da mão de obra para construção dos navios.

A Marinha pretende divulgar o consórcio vencedor no primeiro trimestre de 2019. Cada corveta, que tem dimensões menores que um AHTS, tem custo de construção estimado em cerca de 300 milhões de dólares. Representantes de estaleiros e dos consórcios têm dito que o projeto das corvetas deve durar aproximadamente oito anos, desde a preparação no ano que vem até a construção a partir de 2020 e entrega das quatro unidades gradativamente.

Em novembro, a CBO assinou contratos de afretamento com a Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP) para o uso de PSVs para a campanha de perfuração no campo de Atlanta, na Bacia de Santos. As embarcações utilizadas serão o CBO Anita e o CBO Carolina, PSVs 3.000 (projeto UT715L). De acordo com a CBO, a previsão é que os barcos de apoio marítimo comecem a operar no início de 2019. Os PSVs vão operar por 180 e 90 dias, respectivamente. "Ainda que tímido, é um sinal de retomada do mercado. Estamos participando de outras concorrências semelhantes", informou Gadelha.

Prepare-se:

Não fique de fora dos empregos, e negócios.
Qualifique-se, e turbine seu currículo, com nossos treinamentos, clicando aqui.

Fonte: Portos e Navios

Últimas Notícias
» Ministério Público do Rio alerta para dependência do uso dos royalties em Niterói
» Setor de petróleo e gás inicia retomada, mas com muitos desafios
» ANP prevê Brasil com 170 plataformas de petróleo
» Conheça as áreas onde o profissional de petróleo e gás trabalha
» Maricá pode ganhar primeiro ônibus de hidrogênio com passageiros do Rio
» Petrobras inicia segunda etapa de testes de produção do campo de Mero, em Libra
» Com torpedos e mísseis, novo submarino do país vai patrulhar pré-sal
» Brasil deve ter a 2ª maior expansão da produção de petróleo fora da Opep em 2019
» Setor de petróleo e gás prevê retomada de negócios mas quer a Petrobras com exigências mais realistas
» Ranking da CGU coloca Macaé mais uma vez em destaque na transparência
veja mais notícias »

Fornecedores
Fornecedores - Para consultar ou anunciar, clique aqui, de R$240,00 por apenas R$99,90 ao ano, e disponibilize informações sobre seus produtos e serviços para o maior mercado de Petróleo e Gas do país: a Bacia de Campos.

Siga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no TwitterSiga as últimas novidades do ClickMacaé diretamente no Twitter.


Curta nossa página no Facebook

Política de Privacidade | Privacy policy | Publicidade | ContatoDesenvolvido pela SYS Computing